celular 0800 703 1550
13

Outubro

Ansiedade e depressão continuam a ser o mal do século

Mesmo antes da pandemia, discussões sobre a saúde mental já estavam em destaque em nossa sociedade. Desde então, a necessidade de se conscientizar e se cuidar se torna ainda maior para garantir uma qualidade de vida melhor.

De acordo com um estudo realizado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), casos de depressão aumentaram em 90% e o número de pessoas que relataram sintomas de crises de ansiedade e estresse mais que dobrou nos primeiros meses de isolamento social em 2020.¹

O medo de se contaminar, a sensação de insegurança, a brusca mudança de rotina e a falta de contato com outras pessoas no dia a dia são alguns dos principais fatores que podem ter desencadeado diversas crises.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que mais de 700 milhões de pessoas em todo o mundo sofram com problemas de saúde mental, e uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde no período de pandemia revelou que a ansiedade é o transtorno mais presente entre as pessoas².

Os sintomas mais comuns do transtorno de ansiedade são:

  1. Preocupação excessiva, intensa e persistente;
  2. Medo infundado de situações do dia a dia;
  3. Dificuldade de concentração;
  4. Desequilíbrio dos pensamentos;
  5. Insônia;
  6. Enxaqueca;
  7. Dores musculares;
  8. Frequência cardíaca elevada;
  9. Sudorese;
  10. Fadiga;
  11. Falta de ar.

 

 

Uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Estadual de Campinas verificou como a pandemia afetou ou mudou vida de adolescentes e adultos.

De acordo com os resultados, 40% relatou se sentir triste ou deprimido e 53% se sentiu nervoso ou ansioso com frequência. ³

A depressão é um transtorno considerado comum, mas extremamente sério, que interfere na vida diária da pessoa em todos os aspectos. Os principais sintomas incluem:

  1. Tristeza;
  2. Perda de interesse ou prazer;
  3. Sensação de culpa;
  4. Baixa autoestima;
  5. Sono e apetite alterados;
  6. Cansaço;
  7. Falta de concentração.

Felizmente, existem algumas atitudes que podem te ajudar quando estiver se sentindo para baixo. Confira algumas dicas:4

  • Procure ajuda profissional. Seu médico local são um bom lugar para começar.
  • Converse com alguém de sua confiança sobre seus sentimentos.
  • Use a tecnologia a seu favor e permaneça em contato com familiares e amigos.
  • Faça exercícios regularmente, mesmo que seja apenas uma curta caminhada.
  • Mantenha hábitos alimentares e de sono regulares.
  • Evite ou restrinja a ingestão de álcool e abstenha-se de usar drogas ilícitas; estas podem piorar a depressão.
  • Continue fazendo coisas que você sempre gostou, mesmo quando não está com vontade.
  • Esteja atento aos pensamentos negativos persistentes e à autocrítica e tente substituí-los por pensamentos positivos. Parabenize-se por suas conquistas.

Se perceber qualquer um dos sintomas citados anteriormente, lembre-se de que você não está sozinho nessa jornada e merece ajuda!

 

Fontes:

1: Depressão, ansiedade e estresse aumentam durante a pandemia. Fiocruz Brasília. Último acesso em 06 de outubro de 2021.

2: Ministério da Saúde divulga resultados preliminares de pesquisa sobre saúde mental na pandemia. Ministério da Saúde. Último acesso em 06 de outubro de 2021.

3: Resultados da Convid Pesquisa de Comportamentos – Estado de Ânimo (adultos). ConVid Pesquisa de Comportamentos Fiocruz. Último acesso em 06 de outubro de 2021.

4: Depressão. Organização Pan-Americana de Saúde. Último acesso em 06 de outubro de 2021.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, consulte a nossa nova política de privacidade.
Aceito