celular 0800 703 1550
15

Setembro

Conheça mais o que é rinite alérgica

A rinite alérgica é uma inflamação da mucosa nasal, provocada pela exposição a alguns agentes causadores de alergias, apresentando sintomas que podem ser crônicos ou recorrentes¹. A alergia, também conhecida como reação de hipersensibilidade, é uma resposta exagerada do nosso sistema imunológico, responsável por proteger o organismo contra microrganismos invasores².

Conheça mais o que é rinite alérgica a seguir.

Apesar de não ser uma doença de maior gravidade, a rinite alérgica é a patologia de prevalência entre as doenças respiratórias crônicas, afetando diretamente a qualidade de vida dos pacientes³. Estima-se que, no Brasil, entre 10% e 25% da população sofra de rinite alérgica4.

A rinite alérgica pode, ainda, ser classificada de acordo com a frequência e gravidade dos sintomas. Ela é considerada intermitente quando é menor que quatro dias por semana ou menor que quatro semanas de duração e persistente quando for maior ou igual a quatro dias por semana e maior que quatro semanas de duração. Sua gravidade é determinada da seguinte forma: Leve – quando o paciente realiza suas atividades normais e dorme normalmente, sem sintomas incômodos. Já a rinite alérgica de proporção moderada a grave apresenta sono anormal, interferência nas atividades do dia a dia e os sintomas são mais incômodos4.

Sintomas

Os sintomas da rinite alérgica podem aparecer em qualquer idade, mas geralmente, iniciam-se logo na infância. Os principais sintomas da rinite alérgica são¹:

  • Espirros;
  • Obstrução nasal (nariz entupido);
  • Prurido (coceira) nasal;
  • Rinorreia (nariz escorrendo).

 

Causas

Podem ser provocadas pelos alérgenos ou por substâncias irritantes ou poluentes, sendo os possíveis desencadeantes¹:

Alérgenos: ácaros de poeira, animais, baratas, fungos, pólens e outras coisas como detergentes, látex, poeira de madeira ou trigo¹. 

Irritantes ou poluentes: dióxido de enxofre, fumaça de cigarro, ozônio, óxidos do nitrogênio e poluentes ambientais¹.

A rinite alérgica tem uma próxima relação com pacientes asmáticos. Cerca de 80% desses apresentam um quadro de rinite alérgica, dificultando ainda mais o tratamento³.

 

Diagnóstico4

Para o diagnóstico, o médico baseia-se em histórico clínico e também, por meio de exame físico, muitas vezes pelo método chamado Dennie-Morgan (prega em pálpebras inferiores secundárias ao edema), hiperemia conjuntival, sulco nasal transverso, olheiras pela estase venosa, à rinoscopia anterior: cornetos nasais congestos, edemaciados e mucosa de coloração pálida e acinzentada.

O tratamento da rinite alérgica tem por objetivo aliviar os sintomas. O médico irá avaliar qual a melhor indicação conforme a classificação de sua frequência e gravidade, que poderá ser uma lavagem nasal com solução salina, e o uso de medicamentos anti-histamínico tópico ou oral, corticosteroides, descongestionantes, entre outros. Evitar o contato com os agentes desencadeadores alérgenos e irritantes ou poluentes também é recomendado, inclusive como forma de prevenção para novas crises¹,³. O alívio dos casos de rinite alérgica favorece também o controle das crises de asma4.

 

Fontes:

1. SAKANO, E. et al. IV Brazilian Consensus on Rhinitis – an update on allergic rhinitis. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, [s. l.], v. 84, n. 1, p. 3–14, 2018. Último acesso em 02 de agosto de 2021.
2. Dicas em Saúde Alergias – Ministério da Saúde Brasil. Último acesso em 14 de julho de 2021.
3. IBIAPINA, Cássio da Cunha; SARINHO, Emanuel Savio Cavalcanti; CAMARGOS, Paulo Augusto Moreira; ANDRADE, Cláudia Ribeiro de; FILHO, Álvaro Augusto Souza da Cruz. Rinite alérgica: aspectos epidemiológicos, diagnósticos e terapêuticos. 2017 – Scielo. Último acesso em 14 de julho de 2021.
4. Asma e Rinite - Ministério da Saúde Brasil. Último acesso em 14 de julho de 2021.
Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com tal monitoramento. Para mais informações, consulte a nossa nova política de privacidade.
Aceito